sábado, 28 de junho de 2008

Ando meio Cheio de Tudo

A animação Vazio Agudo, produzida pela galera da Animática Fábrica, foi inspirada em poesia de Paulo Leminski.

Vazio Agudo



Sinopse
Melancolia e solidão em haikai de Paulo Leminski.

Gênero Animação
Diretor Cristiane Fariah
Duração 1'30''
Cor P&B / Colorido
País Brasil



"vazio agudo
ando meio
cheio de tudo."
Paulo Leminski



Mais animações e filmes no OutroCine - Outro jeito de ver cinema

4 comentários:

Dourado disse...

Muito bom
A poesia
curta
e o curta

Yerko Herrera disse...

Leminski na veia! Valeu, Dourado.

Abração!

caetano trindade disse...

Mucho interessante! também já flutei no verso vazio do absurdo Ser.. aí vai também um ode que fiz a Bandeira, salve as Baratas!


Envaidecendo as baratas,
Levanta do bueiro.
Aos vôos, as baratas.
A noite do matuleiro.

Em antena ligada,
Grita estapafúrdico baratão cascudo:
__ “Meu trono!”__ “O dono!” __ “Sou chifrudo!”

Quanto conceito e norma,
Normalmente moral,
Nas ciladas humanas
A barata se dá mal.

Elas ainda resistem,
Bravamente em épocas atomizadas,
Contando a história de um povo
Que viveu marginalizado.

Ainda insiste:
“Ninguém desista!”

“Os sapos” de Manuel Bandeira grita ao modernismo.
Marginalmente enfunando os urubus rei,
Entro desvalido,
Ao cheiro de espírito deliquente,
Estonteante progresso crente.

“Homens partido”
Púnicos mantos cobrem a face.
O espírito cérbero de Caronte vagueia.
Túnicas circulares em tônico ser figuraste.

“quem casar com dona baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha?”
Peituda barata cascuda
Que ainda canta dote oferecendo a caixinha.

Dionisio Donato (pseudo de Caetano Trindade)

Jú disse...

Muito bom!!!