sábado, 5 de janeiro de 2008

Há dez anos os Racionais lançavam Sobrevivendo no Inferno

2007: a profecia se fez como previsto

Há uma década, os Racionais lançavam Sobrevivendo no Inferno, seu CD-Manifesto. O rap vale mais que uma metralhadora. Os quatro pretos periféricos demarcaram um território, mostrando que as quebradas são capazes de inverter o jogo, e o ácido da poesia pode corroer o sistema

por Eleilson Leite

Uma década se passou e a profecia anunciada pelos Racionais MC’s vem se confirmando a cada ano. Em 1997, Mano Brown, Ice Blue, Edy Rock e KL Jay trouxeram ao mundo uma obra que marcou o rap nacional em definitivo e lançou as bases do que, hoje, chamamos de Cultura de Periferia. Estou falando do CD Sobrevivendo no Inferno. Esse disco alçou o grupo à condição de maior representante, no Brasil, de um gênero musical que renovou a música no planeta. Pode observar. Quando algum artista quer dar uma roupagem moderna às suas canções, o produtor bota lá uns scratches, faz uma colagem com letras de rap ou tenta copiar os manos que dominam a composição rimada e ritmada do rythman and poetry.

Mas a qualidade artística de Sobrevivendo no Inferno é apenas um lado desse marco. O CD é um manifesto. Do começo ao fim, canção por canção, os Racionais vão compondo a carta de intenções do gueto. Uma declaração de revolta — revide de quatro sobreviventes. Suas armas? O rap que vale mais do que uma rajada de metralhadora. Com seu “verso violentamente pacífico” os quatro pretos periféricos demarcaram um território, até então, definido apenas pela concentração da pobreza, violência e descaso das autoridades.


Nesse disco, os Racionais mostraram uma periferia poderosa, capaz de reverter o jogo. Uma periferia altiva, consciente de sua condição social e do quanto lhe foi negado. Um povo que, durante décadas, foi amontoado nos arrabaldes, volta-se agora contra os que a empurraram pro gueto. “A fúria negra ressuscita outra vez…”, anuncia Mano Brown. E vestidos com “as roupas e armas de Jorge”, esses quatro jovens, na faixa dos 27 anos, convocavam, na época, todo povo pobre do Brasil. “Periferia é periferia em qualquer lugar”, dizia Edy Rock em inspirada canção. Estava decretado o orgulho e a exaltação do ser periférico.

Com mais de 1 milhão de discos vendidos oficialmente (e, pelo menos, a mesma quantidade reproduzida, digamos, extra-oficialmente...), esse poderoso manifesto, até hoje, cala profundamente e ainda vai influenciar multidões. Os Racionais mostraram que a poesia pode corroer o sistema, constranger as elites. Um ano depois de lançar o Sobrevivendo no Inferno, o grupo ganhou o Vídeo Music Award da MTV com o clipe da canção mais famosa do disco — Diário de um Detento. Surpreendendo a todos, ao aparecer para receber o troféu Mano Brown disparou: “dedico este prêmio a minha mãe que me criou lavando muita roupa suja de playboys como vocês…”.
Não, Mano, o sistema não está sob teus pés. Mas a periferia tornou-se altiva, admirada, consicente de sua condição e do quanto lhe foi negado

Em uma das faixas do CD, a que mais gosto, Estou ouvindo alguém me chamar, a letra fala de um jovem que se inicia no mundo do crime. Seu batismo foi num assalto a uma butique do Itaim. “Todo mundo pro chão, pro chão, o cofre já estava aberto, o vigia tentou ser mais esperto…”, e por aí vai. Em tom reflexivo, vem conclusão dessa parte da história: “Pela primeira vez eu vi o sistema aos meus pés, apavorei, desempenho nota 10”. Imagino que o Mano Brown e seus amigos, diante daquela platéia de brancos bem-nascidos no evento da MTV, tenham pensado o mesmo. De repente, diante dele, centenas rapazes e moças de bochecha rosada aplaudindo-o por ter feito um clipe falando do massacre de 111 presos, quase todos pretos, todos pobres, gente encarada pelo Estado como entulho. Não, Mano Brown, o sistema ainda não está sob seus pés. Como você próprio diz, és um “efeito colateral que seu sistema fez…”. Mas os Racionais abriram um caminho. Como é dito no CD/Manifesto: “eu sou apenas um rapaz latino-americano apoiado por mais de 50 mil mano…”.

Penso que a “base social” dos Racionais tenha multiplicado- se pelo menos dez vezes. Depois de Sobrevivendo no Inferno, veio o Ferrés, mostrando que na Favela tem escritor de qualidade. Surgiram o Samba da Vela, o Sarau da Cooperifa e outros tantos movimentos que engrandecem a periferia. A última canção do disco chama-se Salve. Nela, os músicos dos Racionais citam mais de 60 quebradas: Jardim Ângela, Jardim Ebrom, Vaz de Lima, Vila Calu, Grajaú, Cidade Tiradentes, São Mateus, Brasilândia etc. São regiões da metrópole paulistana que só apareciam nas páginas policiais e nos registros dos detentos nas delegacias e no extinto Carandiru. Mas hoje, caros racionais, graças ao talento e à firmeza ideológica, para usar uma expressão cara ao MST, de artistas como vocês, esses bairros periféricos aparecem, cada vez mais, como redutos de uma arte original, bela e comovente.


Não por acaso surgiu a Agenda Cultural da Periferia. O movimento cultural já justifica um Guia próprio. Uma novidade surgida em 2007 que nos enche de orgulho. De São Mateus, vem o melhor disco de samba do ano com o registro fonográfico do Berço do Samba de São Mateus. Um dos projetos literários mais interessantes do ano é a Coleção Literatura Periférica, da Global Editora, que trouxe, nos três primeiros volumes lançados neste ano, Sergio Vaz, Sacolinha e Alessandro Buzo. O Sacolinha já foi escolhido para a Jornada Literária de Passo Fundo do ano que vem. O Vaz recebeu proposta para traduzir sua obra na França. O Buzo logo será assediado por cineastas em busca de uma história original, veloz e instigante. E para 2008 teremos mais.

Dez anos depois, a profecia se cumpre outra vez. Neste grande ano, o exemplo maior, entre tantos outros, da força da cultura suburbana, foi a realização da Semana de Arte Moderna da Periferia, realizada em novembro, liderada pelo Sarau da Cooperifa. Nesse evento, o povo do gueto mostrou bem o que diz o belo samba interpretado por Beth Carvalho: “da fruta que eles gostam, eu como até o caroço…”. Salve Racionais MC’s. Salve Periferia. Que 2008 tenha muito mais arte. Não tenho dúvida. Por meio da cultura, pode-se virar o jogo.

Fonte: LeMondeDiplomatique

A edição eletrônica de Le Monde Diplomatique é regida pelos princípios do conhecimento compartilhado (copyleft), que visam estimular a ampla circulação de idéias e produtos culturais. A leitura e reprodução dos textos é livre, no caso de publicações não-comerciais. A única exceção são os artigos da edição mensal mais recente, acessíveis no menu lateral esquerdo do site. A citação da fonte é bem-vinda. Mais informações sobre as licenças de conhecimento compartilhado podem ser obtidas na página brasileira da Creative Commons

9 comentários:

http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt disse...

meu amigo ! aqui estou não de dez em dez anos ,mas par te ler sempre k posso e para te desejar um bom domingo e um bom dia de Reis
bjo
carla granja

Yerko Herrera disse...

Muito obrigado, minha amiga das terras lusitanas. Beijão, bom domingo pra ti também.

Beijos!

vivian disse...

Qual não é minha surpresa quando finalmente entro no seu blogger "Música e poesia" e leio uma reportagem sobre os Racionais...
"... entrei pelo seu rádio tomei cê nem viu. mas é isso, aquilo, que cê não dizia, seu filho quer ser preto, ah que ironia."
Confesso que voltarei mais vezes agora, e sempre que possível deixarei um recadinho...
Alguns desejos para ti nesse início de calendário.
Beijos.
Vivian

Joao disse...

Senhores,

Nem imaginam quantas gargalhadas dei quando li o comentário da Vivian!!! Mas o Racionais é isso, eles conseguem dar o recado e ainda afetar emocionalmente quem ouve sua música. Parabéns para o Eleilson, um texto muito bem escrito. Enquanto lia me lembrava da primeira vez que ouvi esse álbum. Na época, apesar de ter ficado muito impressionado com a obra, não tinha noção do quão grande seria a sua influência. Um bom tempo se passou e o recado continua valendo "Igualdade para todos". Boas profecias para nós em 2008!!!

vivian disse...

Ei João, apesar do meu sorriso ser amarelo e nem de longe manisfestar-se como uma gargalhada, confesso que de certa forma fiquei satisfeita em saber que ainda consigo fazer pessoas, mesmo as desconhecidas, darem gargalhadas descontextualizadas sobre algo que escrevo.
Fico apenas com uma pequenina pulga atrás da orelha: o que será que há de engraçado na minha fala para que alguém se de ao trabalho de escrever tal comentário apontando assim, o meu lado "Monty Phynton"?
Ah! Quanto ao afetar emocionalmente, espero que você não seja desses dualistas de plantão que insistem em dissociar razão e emoção.
E cuidado com o julgamento feito antes de saber com quem fala, posso entender um tantinho mais. Acredite, não há apenas esse afetamento emocional, que eu continuo não querendo acreditar que você possa ter sugerido.
Um abraço.
Bom, só mais um comentário. Não espalhe a igualdade a todos, espalhe a possibilidade de todos poderem escolher seu cotidiano. Não somos iguais, e a diferença não é um problema.

vivian disse...

Ao reler meu comentário, percebi que meu Pynthon tornou-se um f (ph)de séculos passados. rs

Yerko Herrera disse...

Valeu João pela visita. Realmente o Eleilson Leite escreve muito bem, ele é um grande conhecedor da Cultura Periférica.

Vivian, fico feliz que tu tenha gostado do blogue. Compreendi teu comentário. Também não entendi o que causou riso ao camarada João, mas me alegra que haja debate aqui neste espaço. E, afinal, tudo sempre está disposto a livre interpretação. O importante é que sejamos lidos e ouvidos.

Abraços João, espero novas participações. Sempre abrirei espaço aqui para os Racionais, pro rap nacional e toda arte oriunda da periferia.

Beijão, Vivian! Volta sempre.

Artes e Teias disse...

...Muito maneiro essa reportagem....Os racionais conseguem sempre passar uma mensagem....Beijos

Yerko Herrera disse...

Os Racionais são os caras!

Valeu pelo comentário!

Beijossss.