segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Poesia e Antipoesia de Nicanor Parra

Aqui vai uma série de poesias do chileno Nicanor Parra, famoso também por seus antipoemas, com tradução de Vinicius Lima, postadas no saite Cronópios. Nicanor é integrante da maior família cultural do Chile, os Parra, praticamente uma instituição artística no país andino, e que tem como membro mais reconhecido Violeta Parra, compositora, cantora, artista plástica e ceramista, irmã de Nicanor.


Poesia Chilena
por Nicanor Parra e Vinicius Lima



LA BATALLA CAMPAL

la cosa comienza con un
DESFILE NOCTURNO DE ENERGÚMENOS
por el centro de la ciudad:

¡muerte sí!
¡funerales nó!

¡muerte sí!
¡funerales nó!

¡muerte sí!
¡funerales nó!


LOS ROBBOTS OBSERVAN EL DESFILE DESDE SUS
CARROS DE COMBATE


y continúa al día siguiente
A LA HORA DE MAYOR TRÁFICO
-entre 1 y 2 de la tarde-
BAJO UN SOL ABRASADOR
con una
MANIFESTACIÓN PACÍFICA DE ENERGÚMENOS
envueltos en sábanas -con antorchas y cucuruchos
FRENTE A UNA TIENDA DE POMPAS FÚNEBRES


En teoría no molestan a nadie
y de hecho no hacen otra cosa
que cantar y bailar en tiempo de cumbia
DOS FRASES QUE REPITEN HASTA EL INFINITO

¡muerte sí!
¡funerales nó!

¡muerte sí!
¡funerales nó!

¡muerte sí!
¡funerales nó!


PERO LOS ROBBOTS OBSERVAN ATENTAMENTE
LOS ACONTECIMIENTOS DESDE SUS CARROS DE COMBATE

al tercer día

LOS ENERGÚMENOS
SE DIRIGEN TRANQUILAMENTE A SUS CASAS

después de varias horas de baile desenfrenado
FRENTE A LA MONEDA
cuando aparecen en escena los robbots
y comienza la batalla campal
Y COMIENZA LA BATALLA CAMPAL
¡ Y C O M I E N Z A L A B A T A L L A C A M P A L !


A BATALHA CAMPAL

a coisa começa com um
DESFILE NOTURNO DE ENERGÚMENOS
pelo centro da cidade:

morte sim!
funerais não!

morte sim!
funerais não!

morte sim!
funerais não!


OS ROBBOTS OBSERVAM O DESFILE DE SEUS
CARROS DE COMBATE


e continua no dia seguinte
NA HORA DE MAIOR TRÁFEGO
-entre 1 e 2 da tarde-
SOB UM SOL ABRASADOR
com uma
MANIFESTAÇÃO PACÍFICA DE ENERGÚMENOS
envoltos em lençóis -com tochas e cornetas
EM FRENTE A UMA LOJA DE POMPAS FÚNEBRES


Na teoria não incomodam ninguém
e de fato não fazem outra coisa
que cantar e bailar em época de cumbia ¹
DUAS FRASES QUE REPETEM ATÉ O INFINITO

morte sim!
funerais não!

morte sim!
funerais não!

morte sim!
funerais não!


MAS OS ROBBOTS OBSERVAM ATENTAMENTE
OS ACONTECIMENTOS DE SEUS CARROS DE COMBATE

no terceiro dia

OS ENERGÚMENOS
SE DIRIGEM TRANQUILAMENTE PARA SUAS CASAS

depois de várias horas de baile desenfreado
EM FRENTE À MONEDA
quando aparecem em cena os robbots
e começa a batalha campal
E COMEÇA A BATALHA CAMPAL
E C O M E Ç A A B A T A L H A C A M P A L !



MOSCAS EN LA MIERDA

Al señor -al turista -al revolucionario
me gustaría hacerles una sola pregunta:
¿alguna vez vieron una nube de moscas
revolotear en torno a una plasta de mierda
aterrizar y trabajar en la mierda?
¿han visto moscas alguna vez en la mierda?

porque yo nací y me crié con las moscas
en una casa rodeada de mierda


MOSCAS NA MERDA

Ao senhor - ao turista - ao revolucionário
gostaria de lhes fazer uma só pergunta:
alguma vez viram uma nuvem de moscas
esvoaçar ao redor de um monte de merda
pousar e trabalhar na merda?
Viram moscas alguma vez na merda?

porque eu nasci e me criei com as moscas
em uma casa rodeada de merda



CAMBIOS

Cambio lola de 30
x 2 viejas de 15

Cambio torta de novia
x un par de muletas eléctricas

Cambio gato enfermo de meningitis
x aguafuerte del siglo XVIII

Cambio volcán en erupción permanente
x helicóptero poco uso

Cambio gato x liebre

Cambio zapato izquierdo x derecho.


TROCAS

Troco adolescente de 30
x 2 velhas de 15

Troco bolo de noiva
x um par de muletas elétricas

Troco gato enfermo de meningite
x água forte do século XVIII

Troco vulcão em erupção permanente
x helicóptero semi-novo

Troco gato x lebre

Troco sapato esquerdo x direito.



SIETE TRABAJOS VOLUNTARIOS Y UN ACTO SEDICIOSO

1

el poeta lanza piedras a la laguna
círculos concéntricos se propagan

2

el poeta se sube en una silla
a darle cuerda a un reloj de colgar

3

el poeta lírico se arrodilla
ante un cerezo en flor
y comienza a rezar un padrenuestro

4

el poeta se viste de hombre rana
y se zambulle en la pileta del parque

5

el poeta se lanza al vacío
colgando de un paraguas
desde el último piso de la Torre Diego Portales

6

el poeta se atrinchera en la Tumba del Soldado Desconocido
y desde ahí dispara flechas envenenadas a los transeúntes

7

el poeta maldito
se entretiene tirándoles pájaros a las piedras


...............ACTO SEDICIOSO
el poeta se corta las venas
en homenaje a su país natal.


SETE TRABALHOS VOLUNTÁRIOS E UM ATO SEDICIOSO

1

o poeta lança pedras na lagoa
círculos concêntricos se propagam

2

o poeta sobe em uma cadeira
para dar corda em um relógio de parede

3

o poeta lírico se ajoelha
ante uma cerejeira em flor
e começa a rezar um pai-nosso

4

o poeta se veste de homem rã
e mergulha na piscina do parque

5

o poeta se lança no vazio
pendurado em um guarda-chuva
do último andar da Torre Diego Portales

6

o poeta se entricheira na Tumba do Soldado Desconhecido
e dali dispara flechas envenenadas nos transeuntes

7

o poeta maldito
se entretém atirando pássaros às pedras

...............ATO SEDICIOSO
o poeta corta as veias
em homenagem a seu país natal.



EL HOMBRE IMAGINARIO (assista aqui Nicanor Parra recitando El Hombre Imaginario - arquivo mov)


El hombre imaginario
vive en una mansión imaginaria
rodeada de árboles imaginarios
a la orilla de un río imaginario

De los muros que son imaginarios
penden antiguos cuadros imaginarios
irreparables grietas imaginarias
que representan hechos imaginarios
ocurridos en mundos imaginarios
en lugares y tiempos imaginarios

Todas las tardes tardes imaginarias
sube las escaleras imaginarias
y se asoma al balcón imaginario
a mirar el paisaje imaginario
que consiste en un valle imaginario
circundado de cerros imaginarios

Sombras imaginarias
vienen por el camino imaginario
entonando canciones imaginarias
a la muerte del sol imaginario

Y en las noches de luna imaginaria
sueña con la mujer imaginaria
que le brindó su amor imaginario
vuelve a sentir ese mismo dolor
ese mismo placer imaginario
y vuelve a palpitar
el corazón del hombre imaginario


O HOMEM IMAGINÁRIO

O homem imaginário
vive em uma mansão imaginária
rodeada de árvores imaginárias
às margens de um rio imaginário

Dos muros que são imaginários
pendem antigos quadros imaginários
irreparáveis fendas imaginárias
que representam feitos imaginários
ocorridos em mundos imaginários
em lugares e tempos imaginários

Todas as tardes tardes imaginárias
sobe as escadas imaginárias
e se debruça na sacada imaginária
a contemplar a paisagem imaginária
que consiste em um vale imaginário
circundado de morros imaginários

Sombras imaginárias
vêm pelo caminho imaginário
entonando canções imaginárias
ao morrer do sol imaginário

E nas noites de lua imaginária
sonha com a mulher imaginária
que o brindou com seu amor imaginário
volta a sentir essa mesma dor
esse mesmo prazer imaginário
e volta a palpitar
o coração do homem imaginário



ADVERTENCIAS

Se prohíbe rezar, estornudar
Escupir, elogiar, arrodillarse
Venerar, aullar, expectorar.

En este recinto se prohíbe dormir
Inocular, hablar, excomulgar
Armonizar, huir, interceptar.

Estrictamente se prohíbe correr.
Se prohíbe fumar y fornicar.


ADVERTÊNCIAS

É proibido rezar, espirrar
Cuspir, elogiar, ajoelhar
Venerar, uivar, expectorar.

Neste recinto é proibido dormir
Inocular, falar, excomungar
Harmonizar, fugir, interceptar.

É estritamente proibido correr.
É proibido fumar e fornicar.



TEST

Qué es un antipoeta:
Un comerciante en urnas y atáudes?
Um sacerdote que no cree en nada?
Un general que duda de sí mismo?
Un vagabundo que se ríe de todo
Hasta de la vejez y de la muerte?
Un interlocutor de mal carácter?
Un bailarín al borde del abismo?
Un narciso que ama a todo el mundo?
Un bromista sangriento
Deliberadamente miserable?

Un poeta que duerme en una silla?
Un alquimista de los tiempos modernos?
Un revolucionario de bolsillo?
Un pequeño burgués?
Un charlatán?
................... un dios?
.............................. un inocente?
Un aldeano de Santiago de Chile?
Subraye la frase que considere correcta.

Qué es la antipoesía:
Un temporal en una taza de té?
Una mancha de nieve en una roca?
Un azafate lleno de excrementos humanos
Como lo cree el padre Salvatierra?
Un espejo que dice la verdad?
Un bofetón al rostro
Del Presidente de la Sociedad de Escritores?
(Dios lo tenga en su santo reino)
Una advertencia a los poetas jóvenes?
Un ataúd a chorro?
Un ataúd a fuerza centrífuga?
Un ataúd a gas de parafina?
Una capilla ardiente sin difunto?

Marque con una cruz
La definición que considere correcta.


TESTE

O que é um antipoeta:
Um comerciante de urnas e ataúdes?
Um sacerdote que não crê em nada?
Um general que duvida de si mesmo?
Um vagabundo que ri de tudo
Até da velhice e da morte?
Um interlocutor de mau caráter?
Um bailarino a beira do abismo?
Um narciso que ama todo o mundo?
Um brincalhão sangrento
Deliberadamente miserável?

Um poeta que dorme em uma cadeira?
Um alquimista dos tempos modernos?
Um revolucionário de bolso?
Um pequeno burguês?
Um charlatão?
................... um deus?
.............................. um inocente?
Um aldeão de Santiago do Chile?
Sublinhe a frase que considere correta.

O que é a antipoesia:
Um temporal em uma xícara de chá?
Uma mancha de neve em uma rocha?
Um açafate cheio de excrementos humanos
Como crê o padre Salvatierra²?
Um espelho que diz a verdade?
Um bofetão no rosto
Do Presidente da Sociedade de Escritores?
(Deus o tenha em seu santo reino)
Uma advertência aos poetas jovens?
Um ataúde a jato?
Um ataúde a força centrífuga?
Um ataúde a gás de parafina?
Uma capela ardente sem defunto?

Marque com uma cruz
A definição que considere correta.



FRASES

No nos echemos tierra a los ojos
El automóvil es una silla de ruedas
El león está hecho de corderos
Los poetas no tienen biografía
La muerte es un hábito colectivo
Los niños nacen para ser felices
La realidad tiende a desaparecer
Fornicar es un acto diabólico
Dios es un buen amigo de los pobres


FRASES

Não nos atirem terra nos olhos
O automóvel é uma cadeira de rodas
O leão está feito de cordeiros
Os poetas não têm biografia
A morte é um hábito coletivo
As crianças nascem para serem felizes
A realidade tende a desaparecer
Fornicar é um ato diabólico
Deus é um bom amigo dos pobres.




NOTAS

1- Cumbia: Música típica nacional da Colômbia. Surgida nos guetos das grandes cidades colombianas, o ritmo se dissipou por quase todos os países falantes de castelhano na América Latina e se tornou o ritmo mais popular de países como Argentina e Chile. A Cumbia é um dos principais marcos da expressão africana na América.

2- Salvatierra: Juan Maria de Salvatierra nasceu em Milão, Italia e morreu na cidade de Guadalajara no México . Foi Padre fundador da Missão de Nossa Senhora de Loreto e fundador do primeiro assentamento espanhol que prosperou nas Américas. Escreveu "Cartas sobre la conquista espiritual de Californias" (México 1698) e "Nuevas cartas sobre Californias" (1699).


Nicanor Parra
Nicanor Parra: Mais importante poeta chileno depois de Vicente Huidobro. Irmão da compositora Violeta Parra, Nicanor assume desde o princípio uma forte identidade com a cultura popular chilena e insere em sua poesia uma alta carga de oralidade. Em 1954 publica Poemas e Antipoemas, livro marcado por uma profunda recusa ao eu lírico e às tradições literárias do Chile. Influenciado pelo Romancero Gitano de Lorca e com uma linguagem clara e cortante, o poeta foi responsável por uma verdadeira renovação na poesia chilena, e consagrado como um dos mais importantes poetas do mundo. Foi várias vezes indicado para o prêmio Nobel de literatura, mas em nenhuma das ocasiões conseguiu ser premiado pela Academia Sueca.

Vinicius Lima é jornalista, mestrando em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Autor de Geometria do Grito, livro de poemas inédito. Desenvolve também trabalhos nos campos da Poesia Sonora, Poesia Visual e Música Eletroacústica. E-mail contato: viniciusslima@zipmail.com.br

Fonte: Cronópios

3 comentários:

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

O triste Chile de ALLENDE, o torturado chile de pinochet.Como me dói quando lembro desse passado tão presente...mas, temos que lembrar para que o passado não venha a se repetir.O Poeta foi fundo! Vanuza

Yerko Herrera disse...

Allende, Allende!

¡Viva el pueblo!

Alexandre Collares Baiocchi disse...

Muito obrigado pela postagem. Allende é um exemplo para todos, assim como a arte de Nicanor Parra. Recomendo aos leitores do blog a antologia Poesia Trunca, gravada em Cuba em 1978.
Abraços,
Alexandre