terça-feira, 22 de maio de 2007

Algumas do Mário Lago

Ai, que saudades da Amélia
(Ataulfo Alves e Mário Lago)

Nunca vi fazer tanta exigência
Nem fazer o que você me faz
Você não sabe o que é consciência
Nem vê que eu sou um pobre rapaz
Você só pensa em luxo e riqueza
Tudo o que você vê, você quer
Ai, meu Deus, que saudade da Amélia
Aquilo sim é que era mulher

Às vezes passava fome ao meu lado
E achava bonito não ter o que comer
Quando me via contrariado
Dizia: "Meu filho, o que se há de fazer!"
Amélia não tinha a menor vaidade
Amélia é que era mulher de verdade


Atire a primeira pedra
(Ataulfo Alves e Mário Lago)

Covarde sei que me podem chamar
Porque não calo no peito essa dor
Atire a primeira pedra, ai, ai, ai
Aquele que não sofreu por amor
Eu sei que vão censurar meu proceder
Eu sei, mulher
Que você mesma vai dizer
Que eu voltei pra me humilhar
É, mas não faz mal
Você pode até sorrir
Perdão foi feito pra gente pedir


Devolve
(Mário Lago)

Devolve toda a tranqüilidade
Toda a felicidade
Que eu te dei e que perdi
Devolve todos os sonhos loucos
Que eu construí aos poucos
E te ofereci
Devolve, eu peço, por favor
Aquele imenso amor
Que nos teus braços esqueci
Devolve, que eu te devolvo ainda
Esta saudade infinda
Que eu tenho de ti


Enquanto houver saudade
(Custódio Mesquita e Mário Lago)

Não posso acreditar
Que algumas vezes
Não lembres com vontade de chorar
Daqueles deliciosos quatro meses
Vividos sem sentir e sem pensar

Não posso acreditar
Que hoje não sintas
Saudade dessa história singular
Escrita com as mais suaves tintas
Que existem pra escrever o verbo ama

Enquanto houver saudade
Pensarás em mim
Pois a felicidade
Não se esquece assim
O amor passa mas deixa
Sempre a recordação
De um beijo ou de uma queixa
No coração


Fracasso
(Mário Lago)

Relembro sem saudade o nosso amor
O nosso último beijo e último abraço
Porque só me ficou da história desse amor
A história dolorosa de um fracasso
Fracasso, por te querer assim como quis
Fracasso, por não saber fazer-te feliz
Fracasso, por te amar como a nenhuma outra amei
Chorar o que já chorei, fracasso eu sei
Fracasso, por compreender que devo esquecer
Fracasso, porque já sei que não esquecerei
Fracasso, fracasso, fracasso, fracasso afinal
Por querer tanto bem e me fazer tanto mal


Leva o meu coração que ele é teu
(Mário Lago e Roberto Martins)

Leva meu coração que ele é teu
Leva que está pesando em meu peito
Pesa mais que a saudade
Do nosso amor que morreu
Pois não te vendo a meu lado
Meu coração não é meu
Mas tem cuidado, por Deus
Com meu coração
Não deixes o pobrezinho
Sem proteção
Talvez um dia eu te esqueça
Alguém me vire a cabeça
Pra amar de novo eu preciso do coração


Salve a preguiça meu pai
(Mário Lago)

Com meus pés, não vou
Venha me buscar
Mas só vou de colo
Pra não me cansar
O meu passo faz caminho
Mas se alguém não se agradou
Pra mudar vai dar trabalho
Com meus pés, não vou
Espinho não me amedronta
Nem pedra vai me assustar
Quem quer que eu saia da estrada
Venha me buscar
Com meus pés, não vou
Venha me buscar
Mas só vou de colo
Pra não me cansar
Oi, com meus pés não vou
Venha me buscar
Mas só vou de colo
Pra não me cansar
Com tristeza não me abalo
Com ameaça não me amolo
Pra brigar não tenho força
Mas só vou de colo
Quem quer, caminhe comigo
Vai ver que é bom de se andar
Quem não quiser me carregue
Pra eu não me cansar
(Salve a preguiça, meu pai
A preguiça é nossa
Já o português dizia que
O índio era preguiçoso
Porque não queria trabalhar pra ele
E se metia no meio do mato
Salve a preguiça, meu pai!)


Número um
(Mário Lago e Benedito Lacerda)

Passaste hoje ao meu lado
Vaidosa, de braço dado
Com outro que te encontrou
E eu relembrei comovido
O velho amor esquecido
Que o meu destino arruinou
Chegaste na minha vida
Cansada, desiludida
Triste, mendiga de amor
E eu, pobre, com sacrifício
Fiz um céu do teu suplício
Pus risos na tua dor
Mostrei-te um novo caminho
Onde com muito carinho
Levei-te numa ilusão
Tudo porém foi inútil
Eras no fundo uma fútil
E foste de mão em mão
Satisfaz tua vaidade
Muda de dono à vontade
Isso em mulher é comum
Não guardo frios rancores
Pois entre os teus mil amores
Eu sou o número um


Nada além
(Custódio Mesquita e Mário Lago)

Ouça aqui Nada Além (necessário Real Player)

Nada além
Nada além de uma ilusão
Chega bem
E é demais para o meu coração
Acreditando em tudo que o amor
Mentindo sempre diz
E vou vivendo assim feliz
Na ilusão de ser feliz
Se o amor
Só nos causa sofrimento e dor
É melhor
Bem melhor a ilusão do amor
Eu não quero e não peço
Para o meu coração
Nada além de uma linda ilusão


Fonte: MPBNet

9 comentários:

Anônimo disse...

Amo o Mário Lago.Gostaria muito de rever uma crônica que ele declamou na tv, onde todas as palavras começão com a mesma letra! Parabéns pelo trabalho.

Anônimo disse...

Aliás, COMEÇAM. Que vergonha!

Yerko Herrera disse...

É mesmo, não conheço essa crônica nem vi esse programa. Se achar pela internet me manda pra eu postar aqui no blogue.

Valeu pelo comentário!

Abração!

Anônimo disse...

Bom dia Yerko. Obrigada pela atenção, que deu ao meu comentário. Poucas pessoas conhecem as obras (relativamente, é claro)de Mario Lago, ou mesmo de outros autores interpretadas por Mario Lago. Como gosto muito de poesias, crônicas, música, quando vejo algo que me chama à atenção, nunca esqueço. Fiz faculdade de letras, Português/Inglês, mas hoje sou Advogada.( citei isto, para ver que meu négócio é português, embora não saiba como gostaria!) Mas esta crônica de que falei, vi há muito tempo, não me lembro se foi no programa do Jô Soares, ou aonde foi. Mas me lembro que era toda começando ou terminando as frases com a mesma letra, como uma( mas muito maior) que o Chico Anísio declamou no Jô também.Esta está no Youtube.Se encontrar te mando com mutio prazer. Beijos! Marlene Sant'Ana-Londrina-Pr- Meu email é: marshasantana@hotmail.com.

Yerko Herrera disse...

Marlene! Eu é que agradeço a tua participação aqui no Música&Poesia. Creio que a maioria das pessoas associam a imagem do Mário Lago com sua faceta de ator, grande parte das pessoas desconhece que ele foi um grande poeta, compositor e ativista político.

Uma das minhas motivações em produzir este blogue é tratar de aprender, descobrir a riqueza de nossa cultura. Seria egoísmo de minha parte não dividir essas descobertas com mais pessoas, por isso, trato de compartilhar com todos o pouco que aprendo dentro desta vastidão cultural.

Qualquer coisa bacana que tu achar, não hesite em me avisar. Quem sabe coloco aqui pra todo mundo ver.

Beijão,
Yerko Herrera.

Fernanda disse...

ola eu adoro MArio Lago!!!
amu a poesia dele "O povo escreve a historia na parede"
se vc tiver posta ai!!!

Yerko Herrera disse...

Oi Fernanda!!! Mario Lago é muito bom mesmo. Eu não conheço essa que tu pergunta. Mas vou procurar, assim que achar eu posto.

Obrigado pelo comentário.

Beijos!

Aparicio disse...

Há muito tempo eu vi uma entrevista do Mario Lago no programa do Jô no qual ele recitou um poema que tratava do uso da letra X na ortografia brasileira..De lá para cá tenho procurado insistentemente essa poesia, mas não consigo encontrar porque não sei o nome...qualquer me avise...

jasilva@uepg.br

layla-sp disse...

olá.. eu uma vez vi na t.v uma entrevista dele, ele declamou uma poesia que dizia sobre "o mar e o azul do mar" alguem poderia me passar porque ja procurei incansavelmente e nao achei..
bjsss